terça-feira, 16 de agosto de 2016

MBA - Gestão Estratégica da Segurança corporativa


terça-feira, 10 de maio de 2016

Crescimento da criminalidade e soluções em segurança Empresarial

Crescimento da criminalidade e soluções em segurança empresarial

*Siderley Lima


1.      Crescimento da criminalidade


         O crime tem sido uma doença que acompanha o crescimento nas cidades e se relaciona diretamente com a situação econômica de cada cidadão. Atualmente, os crimes contra a vida e patrimônio tem crescido assustadoramente, é difícil encontrar alguma pessoa que não foi vítima da criminalidade.
            As organizações criminosas no Brasil cada dia se tornam mais presentes no nosso dia a dia, não podemos fechar os olhos, o problema é real, as quadrilhas estão cada vez mais especializadas, podemos ver isso no contrabando, o tráfico de drogas, o roubo de cargas, o tráfico de armas, assaltos a bancos, o tráfico e exploração de crianças e mulheres, os jogos ilegais, o furto e receptação de veículos,etc. Os crimes variam de acordo com a necessidade e objetivos.
           Infelizmente uma das características que serve de ingrediente nas estruturas criminosas é a corrupção, seja ela através do judiciário ( venda de sentenças), corrupção de policias, patrocínios de campanhas políticas. O crime organizado possui conexões e ligações social, econômica e política, desta forma realização a lavagem de dinheiro tornando suas praticas mais difíceis de combatê-las.
            Sabemos que a avanço da criminalidade são os vazios deixados pelo Estado, as facções criminosas prosperam e avançam devido as brechas abertas pela corrupção e pela desproteção policial. Enquanto as policias Civis, Militares e atualmente as Guardas Civis estiverem atuando separadas gerando “rivalidades”, enquanto tivermos políticos interessados somente no seu bem estar e uma sociedade civil achando que não faz parte do problema, o crime se une e torna-se organizado ficando mais fácil sua atuação.


1.1 Modus operandi

            Independente do tipo de crime, a preparação para um assalto pode levar meses, dias, ou apenas alguns segundos. Após o alvo ser escolhido o criminoso avalia toda a situação antes da abordagem, como por exemplo a facilidade de ganho, local de fácil fuga e se há policiamento próximo, dando preferência aos locais ermos. Em outras ocasiões o planejamento e ação criminosa surpreende a todos, com a ousadia e a criatividade.

.   1.2 Características de alguns crimes:
Ø  Planejamento;
Ø   Organização;
Ø   Liderança;
Ø   Investimento;
Ø   Logística;
Ø  Efetivo;
Ø  Coleta de informações;


 Alguns casos de sinistros realizados por criminosos profissionais      

DATA

VÍTIMA

CRIME

MODUS OPERANDI

11/DEZ/2001
Publicitário W. Olivetto
Extorsão mediante seqüestro
Disfarce com roupas da PF, falso bloqueio
11/MAI/04
Empresa de transporte de valores Rodoban
Roubo
Os assaltantes alugaram uma casa ao lado e fizeram um buraco na parede, renderam os funcionários e levaram R$ 9 milhões
11/OUT/04
Empresa de transporte de valores  Transbank
Roubo
Os criminosos entraram por um túnel de 50 metros, que começou a ser cavado numa casa alugada na mesma rua, os assaltantes levaram R$ 4 milhões.
 AGO/2005
Banco Central
Furto
Por um túnel de 80 metros, levaram aproximadamente R$ 150 milhões, numa operação em que nenhum dos bandidos usou sequer um revolver.
08/AGO/07
Empresa de transporte de valores  Prosegur
Roubo

Uma quadrilha utilizou explosivos na parede da tesouraria, levaram R$ 9,8 milhões
10/SET/07
Empresa de transporte de valores  Protege
Roubo
 Criminosos utilizaram explosivos  C-4 , após render um vigia no estabelecimento do lado da transportadora, foram roubados R$ 20 milhões.

13/10/2009

Empresa de transporte de valores  Prosegur

ROUBO A CARRO FORTE

Uma metralhadora .50 foi usada por dez ladrões a um carro-forte em Amparo. Os ladrões arrombaram o cofre com dinamite e fugiram levando R$ 1 milhão 367 mil

05/11/2009

Empresa de transporte de valores  Prosegur

ROUBO A CARRO FORTE

Utilizaram uma metrtalhadora .30, 12 homens rederam os vigias, explodem o carro-forte e levam R$ 6 milhões.

06/12/2009

Empresa Transnacional transporte de valores

Roubo

Por um túnel de 150 metros, chegaram no cofre da empresa, quebraram o chão e levaram R$ 20 milhões,

04/SET/10
Empresa de transporte de valores- Embraforte
Roubo
De acordo com a polícia, eles chegaram à empresa disfarçados de policiais federais e com falsos mandados de busca e apreensão. Cerca de 20 pessoas, entre funcionários e parentes, foram feitos reféns durante a ação de um grupo que pode envolver 20 homens. Depois retornaram a empresa e roubaram R$ 45 milhões
27/AGO/11
Banco Itaú (Av Paulista
Roubo
Para invadir a agência, eles quebraram uma porta de vidro. Dois homens entraram primeiro e dominaram um segurança. Outros dez assaltantes desceram até o subsolo do prédio. O alarme estava desligado e que os ladrões desligaram o botão de pânico, que poderia ser usado pelo vigilante para alertar a segurança.Durante dez horas a quadrilha estourou os 170  cofres.
16Out/2011
Empresa Protege
Roubo
Os bandidos levaram cerca de R$ 20 milhões da transportadora de valores Protege. Os ladrões fizeram um gerente da Protege como refém e amarraram explosivos em seu corpo para obrigar os vigias dentro da transportadora de valores a abrir o portão. O bando levou o dinheiro em um carro-forte, que foi abandonado a dois quarteirões da empresa.
Fonte: CS3 Consultoria


1.3 Migração dos criminosos

Segundo o Profº de Segurança Empresarial Antonio C. R. Brasiliano[1],

“alerta-nos para o fato de que o mundo em que vivemos está em constante mutação. Infelizmente, não sabemos quantas nem como essas mudanças podem nos afetar: Quando utilizamos à palavra risco, tentamos abranger tanto os efeitos dessas mudanças quanto nossa incapacidade de prevê-las. Se entendermos os riscos, sua conseqüência, impactos e causas, estaremos menos expostos a tais riscos”, afirma o Prof Brasiliano.

No passado, principalmente na década de 80 havia os criminosos eram  especializados em cada tipo de crime, mas nos dias atuais, com a troca de informações nos presídios e principalmente a criação de algumas facções criminosas , o marginal passou a realizar todo o tipo de crime, quem realiza um roubo a um condomínio, será o mesmo que realiza um assalto em uma relojoaria, o que assalta um banco é o mesmo que irá realizar um seqüestro, um dos objetivos é levantar recursos e investir ainda mais no crime, em especial no trafico de drogas.  É sempre assim a cada nova modalidade de crime, surgi novas tecnologias ou medidas para impedir, a policia sufoca a modalidade, por sua vez os criminosos migram para outro tipo de crime, eles estão sempre um passo a frente.
     A migração dos criminosos tem explicação,  o forte investimento em segurança implantado por bancos, empresas, industrias, instalações comerciais, altos executivos contratando segurança pessoal, novas tecnologias e  recursos,enfim, tudo isso  tem sido um fator    decisivo para a mudança de um crime para outro. O criminoso atua onde é mais vulnerável, cada vez que se cria um novo recurso para impedir a ação criminosa, eles inovam com outro tipo de crime.
Entre os inúmeros serviços e situações que o consultor será contratado, iremos acompanhar algumas situações e cenários  :

2.  Soluções em segurança patrimonial

            O gestor deve conhecer algumas das soluções que estará indicando em seus projetos. Não podemos esquecer que depois do maior bem que é a nossa vida e a das pessoas que estão ao nosso redor, a preocupação em proteger o nosso patrimônio também é necessário, com o aumento da criminalidade a necessidade de utilizar algumas soluções em segurança é vital nas atividades das empresas, as soluções indicadas pelo consultor é que irão ajudar no dia a dia do cliente.
             No passado quando se falava de segurança, as barreiras perimetrais se resumiam em cercas de arame farpado, cacos de vidros nos muros ou lanças nos portões, hoje com a tecnologia, existe vários equipamentos e dispositivos eletrônicos que agregam uma maior eficiência para inibir, detectar e retardar intrusões e ações criminosas. O consultor sabe que alguns riscos são efetivamente incontroláveis, mas uma parte pode ser reduzida ou eliminada mediante a adoção dos sistemas de proteção mais adequados.
         A segurança patrimonial começa na parte externa da empresa, indústria ou comercio, proteger as instalações é parte do negocio, principalmente com o avanço da criminalidade, pensando nisso dificultar a ação criminosa criando barreiras físicas e perimetrais e primordial. Veja o que você pode estar sugerindo na implantação de soluções em segurança:
- Controle de visitantes: sistema de identificação de visitantes visa realizar o cadastro de visitantes sem a necessidade de retenção de documentos;
- Detector de metais: equipamento com sensibilidade capaz de detectar uma até uma pequena lâmina de barbear;
-Cabo microfônico: detecta o invasor por vibrações, ideal para alambrados e superfície do solo;
- Concertina: barreira física em aço ou galvanizado;
- Controle de acesso: os leitores biométricos avaliam uma característica única e intransferível de cada ser humano, tais como impressão digital, geometria da mão e íris do olho;
- Alarmes: alertam através de sinalização sonoro a intrusão do perímetro de segurança.
- CFTV: sistemas de monitoramento que filmam e gravam todo o perímetro da empresa.
              Entre as soluções em segurança, o CFTV ( Circuito Fechado de TV) é um dos mais utilizados, seja na residência, no comercio, na sua empresa. O CFTV tem papel ativo na segurança, podendo atuar sozinho ou em conjunto com sistemas de alarmes, controles de acesso, etc. Veja como podemos utilizar:
- Proteção: atuação na área de prevenção de acidentes em empresas;
- Investigação: no caso de furtos de produtos e bens da empresa por parte de funcionários e estranhos;
-Controle de acesso: na restrição e controle de entrada de pessoas e veículos em área protegida;
- Identificação: para o reconhecimento de pessoas e veículos em áreas de controle por parte do observador;
- Vigilância: comércios, escritórios, etc. Reconhecendo problemas, alterações, invasões e distúrbios que possam causar perigo ou risco as pessoas ou materiais lá encontrados.
        Com o aumento da violência,  as pessoas, empresas, condomínios, estabelecimentos comerciais, shopping centers, hipermercados, etc, estão cada vez mais contratando os serviços de consultoria em segurança, visando implantar sistemas  eletrônicos  ou empresas de vigilantes.
      Ao indicar uma empresa de vigilância, alguns profissionais acabam esquecendo de verificar se a empresa prestadora dos serviços é regularizada junto aos órgãos competentes, não tomam  alguns cuidados e contratam vigilantes sem preparo, seus nenhum tipo de curso e sem qualificação, desta forma acaba  tornando-se um problema maior do que se não tivesse contratado, pois você assumi o risco de ter que responder pelos atos decorrentes desse vigia.
            Essas soluções mais econômicas na hora da contratação não é aconselhável, as empresas de segurança “clandestina” ( aquelas que não registram seus funcionários, não cumpri as obrigações legais e trabalhistas, etc) sai mais barato, mas quando falamos em segurança temos que lembrar do velho ditado “ o barato sai caro”.
            Da mesma maneira que você deve tomar cuidado na hora de contratar um vigilante, esses cuidados devem ser lembrados na contratação de uma empresa de segurança eletrônica. Por exemplo, se a análise de risco( levantamento do pontos vulneráveis)   do imóvel não for bem executada, o sistema poderá ser falho, onde a iluminação será inadequada, falhas na transmissão de sinais, sensores inadequados, alarmes que disparam a todo instante, etc. É de extrema importância que você ao adquirir um sistema eletrônico de segurança, realize junto com a empresa a relação de todos os pontos vulneráveis do seu imóvel ou de sua empresa.

            Vejas outras dicas que irão ter ajudar:
Contratação de vigilantes
 - Verifique primeiramente se a empresa é legalizada na Policia Federal;
- ser for um vigilante autônomo, verifique os antecedentes criminais, se possui o curso de vigilante registrado na PF, e verificar as referências profissionais.

Contratação de segurança eletrônica
- Verificar as qualificações da empresa que está contratando e outros projetos por ela já realizados;
- Verificar a qualidade dos produtos a serem comprados e instalados ( fabricante e procedência);
- Certifique que será realizado um projeto e se a empresa tem pós-venda ( manutenção e monitoramento);
- Verificar quando e em quanto tempo serão realizadas as manutenções do sistema.

Lembre-se : " Não adianta ter os melhores equipamentos de segurança e não ter um bom treinamento profissional dos pessoas envolvidas na segurança. O fator humano é o principal e fundamental para a segurança de qualquer ambiente.


* Siderley Andrade de Lima: É consultor de segurança patrimonial, pós graduando em Gerenciamento de Crises, graduado do curso de Gestão em segurança privada pela Universidade Paulista, Diplomado em Política e Estratégia pela Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra, idealizador do blog sobre segurança http://gestorsegurancaempresarial.blogspot.com/; Colunista do site de segurança www.dicaseg.com; Membro da ABSEG- Associação Brasileira de Profissionais de Segurança, autor dos livros:  “Manual Básico do Instrutor de Armamento  Tiro”, “ Sobrevivência Policial no Confronto Armado e “ Manual de Segurança Preventiva “, Manual de Consultoria em Segurança empresarial” e Patrulhamento Tático”
siderleyandrade@yahoo.com.br




[1] Antonio Celso Ribeiro Brasileiro é Diretor Executivo da Brasiliano & AssociadosCoordenador Técnico e Professor dos Cursos: Curso de Especialização (MBA) Gestão em Segurança Empresarial e do Curso Avançado em Segurança Empresarial, ambos da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado – FECAP – SP

quarta-feira, 4 de março de 2015

O papel do gestor de segurança

 
*David Fernandes da Silva, CPP

A atuação do crime organizado, seqüestros de empresários e executivos, invasões à mão armada, uso de explosivos, arrombamentos, fraudes e furtos
praticados por funcionários, além dos riscos do próprio negócio, fizeram muitas empresas a se preocupar em proteger também seu patrimônio, pois sofreram ou poderiam vir a sofrer algum prejuízo por qualquer ocorrência dessas ameaças. Para se prevenirem, perceberam que necessitavam das recomendações de um especialista em segurança empresarial ou até da contratação de um gestor de segurança, seja ele funcionário ou um consultor externo. Quando tem autonomia e apoio, esse gestor pode reduzir drasticamente os riscos, prejuízos e perdas existentes. Há casos em que o sucesso da gestão de segurança chega em até 90% de redução de riscos e prejuízos. Sendo assim, alguns empresários descobriram que essa eficácia garante seus lucros, evitando perdas, surgindo aí a demanda por esse tipo de profissional.
As principais atribuições de um gestor de segurança são: análise de riscos visando apresentar as principais ameaças à organização, seus impactos no
negócio, a probabilidade de ocorrência, os possíveis valores de perda máxima se o evento ocorrer, medidas preventivas e os valores de investimento. O gestor precisa deixar bem claro quanto será o prejuízo x o valor do investimento para demonstrar à diretoria que vale à pena investir em segurança. Além disso, elaborar a política e os planos de segurança (estratégico, tático e operacional) visando proteger à vida, o patrimônio e restaurar as atividades normais da empresa. Também faz parte de suas responsabilidades elaborar orçamentos de segurança, visando apresentar as melhores soluções (custos x benefícios) do mercado. O gestor é quem deve analisar os fornecedores, seus produtos e serviços e passar para o setor de compras somente fechar a negociação com o fornecedor selecionado. Dependendo do porte e da cultura da empresa, a função do gestor de segurança é, em alguns casos, atribuída a um gerente de TI, RH ou Financeiro. Dessa forma, pelo acúmulo de atividades e falta de conhecimentos especializados, torna-se limitada, ou seja, está simplesmente mais voltada para compra de equipamentos e administrar serviços de segurança.
O ideal é que o gestor de segurança atue, de forma estratégica e com visão holística, em todas as áreas e operações da empresa como apoio (staff) e deve
reportar-se direto ao Vice-Presidente ou assessorar o Presidente. Alguns exemplos: junto com o RH, estabelecendo critérios de contratação e seleção de
novos candidatos, análise e verificação do histórico escolar e dos últimos empregos, participar de determinada entrevista para análise do perfil e comportamento e na conscientização da política de segurança para novos funcionários; na Logística, gerenciamento de riscos no recebimento de mercadorias e no transporte para determinada região; com TI, englobando processos e pessoas, proteção de segredo comercial, classificação das informações e quem deve ter acesso a elas; com Jurídico, visando contratos específicos para redução de riscos internos e externos; com o Presidente e alta direção da empresa, analisando os riscos do caminho de ida e volta da residência para o trabalho e das vulnerabilidades da residência e dos familiares
para elaborar um plano de segurança pessoal; com Engenharia, na construção de uma nova sede, realizando o diagnóstico de segurança da região, vizinhança, localização, lay-out, acessos, materiais de construção e planejar os recursos humanos, tecnológicos e procedimentos necessários para uma segurança adequada.
Além de trabalhar no ramo empresarial, o gestor de segurança pode atuar de forma mais específica em segurança pessoal, segurança em logística, prevenção de perdas no varejo, sendo um funcionário de uma organização ou até um consultor externo.
O mercado dessa área de atuação tem dado preferência para pessoas pró-ativas e dinâmica, pois essa função trabalha-se com a prevenção e não se esperar acontecer. Quem trabalha com segurança tem que estar preparado para diversas situações que podem ocorrer no dia-a-dia, tais como um assalto ou uma emergência.
É importante conquistar alguma certificação em segurança para comprovar seus conhecimentos. Hoje há duas certificações nacionais: CES – Certificado de Especialista em Segurança pela ABSO (Associação Brasileira de Segurança Orgânica), que exige três anos de experiência em segurança empresarial e 2º grau completo, e a ASE – Analista de Segurança Empresarial pela ABSEG (Associação Brasileira dos Profissionais de Segurança). Nesta última há exigência da formação em curso superior. Se for em qualquer área, exige mais 6 anos de experiência no ramo de segurança ou 4 anos se tiver exercido cargos de chefia ou gerência de segurança; o profissional, que trabalha como
gestor de segurança, precisará de apenas 2 anos na função, se possuir um curso de pós-graduação/MBA em segurança para prestar o exame. Entretanto, há outra certificação que agrega muito conhecimento e que é considerada um dos maiores títulos almejados pelos profissionais de segurança é o CPP – Certified Protection Professional, ou seja, Profissional de Proteção Certificado pela ASIS (American Society For Industry Security). Trata-sede uma certificação internacional existente há 25 anos, com apenas 12.000 no mundo, espalhados em 40 países. Além das certificações acima, é bom fazer cursos específicos na área de segurança, tais como: investigações, fraudes, inteligência competitiva, segurança pessoal, sistemas de segurança eletrônica, técnicas de contraespionagem, prevenção de incêndios, etc. Também deve-se agregar cursos de: inglês (muito exigido hoje), liderança, gestão de projetos, pessoas entre outros.
David Fernandes da Silva, CPP. Professor universitário na UNIP.




Como o gestor de segurançaz pode gerar lucro para a empresa ?

         Os desafios empresariais estão cada vez maiores, pois as exigências do mercado e o desempenho dos concorrentes estão crescendo rapidamente. Para fazer frente a esta realidade, as empresas necessitam superar continuamente os seus patamares de atuação. Esta superação não é conseguida com a rotina do dia a dia, é necessário alcançar níveis superiores. Estes níveis, segundo Falconi, são alcançados com o gerenciamento pelas diretrizes.
O gerenciamento pelas diretrizes busca atingir as metas que não podem ser alcançadas com a rotina do dia a dia e está voltado para solucionar os problemas prioritários da empresa. Nesta busca, percebemos a importância do gerenciamento dos riscos e da gestão das perdas, pois o alcance das metas passa pela melhoria dos processos.
Quando falamos em gerenciar pelas diretrizes estamos falando de gerenciar utilizando o ciclo PDCA. Na fase P (planejar) são estabelecidas as diretrizes (metas + medidas) para todos os níveis gerenciais e os respectivos planos de ação. Na fase D (executar) são executadas as medidas necessárias para se alcançar as metas, tendo como referência os planos de ação. No terceiro momento, fase C, é realizada a verificação dos resultados e do grau de avanço das medidas. Na última fase (A), fazemos uma análise da diferença entre as metas e os resultados alcançados, determinamos as causas deste desvio (gap) e estabelecemos recomendações das medidas corretivas (contramedidas).     
Existem alguns conceitos importantes para o gerenciamento pelas diretrizes, o primeiro é o conceito de meta. A meta é composta de três partes: objetivo gerencial, valor e prazo. Um exemplo simples seria: reduzir os furtos em 10% até o final do ano. O objetivo gerencial é reduzir os furtos. O valor é 10% e o prazo é até o final do ano. Além de deixar claro o conceito de meta, este exemplo mostra como o sistema de segurança pode potencializar o sucesso empresarial, neste caso buscando minimizar uma fonte de perda.
O segundo conceito é o de diretriz. Diretriz é o somatório da meta e as medidas necessárias para alcança-la. Podemos perceber que as medidas são estabelecidas sobre os meios e a meta sobre os fins.
Podem existir dois tipos de medida: desdobrável e não desdobrável. O primeiro tipo será executado no nível operacional ou por outros processos. A medida não desdobrável será executada pelo próprio responsável pela diretriz e é transformada em ação.
          O terceiro conceito importante é o de problema. Segundo Falconi, problema é um resultado indesejável de um processo. É uma meta não alcançada. O não alcance da meta pode ter sido gerado por diversos fatores presentes nos processos da empresa. A busca destes fatores é atividade fim do sistema de segurança e terá como base a gestão de riscos e a gestão de perdas.  
O quarto conceito é o de planejamento. Planejar significa estabelecer um plano, ou seja, um conjunto de medidas para atingir a meta. As fases básicas são: conhecer a meta, analisar o fenômeno, analisar o processo e estabelecer o plano. O plano de ação pode ser apresentado com a técnica 5W 2H (what, who, when, where, why, how e how much). Podemos também usar 5W 1H. Neste caso o H de how much (quanto custa) é trabalhado em separado.
Para que o sistema de segurança contribua para o sucesso empresarial a gestão deste sistema tem que está alinhada com as metas estratégicas da empresa, logo o gestor do sistema de segurança terá que gerir com base em diretrizes.
As diretrizes do gestor da segurança serão desdobramentos das diretrizes estratégicas. O sistema preventivo e contingencial de segurança serão desenvolvidos para dar suporte ao alcance das metas desenvolvidas pela alta administração, ou seja, a gestão do sistema de segurança não é uma coisa a parte, mas sim integrada ao negócio da empresa.
O sistema de segurança, por ser atividade meio, tem que dá suporte à atividade fim da empresa. O gerenciamento dos riscos é essencial neste processo, pois terá como resultado: a compreensão dos riscos e das suas causas geradoras; a identificação da probabilidade e impacto de cada risco e a definição do tratamento de cada risco. Este gerenciamento é a base para a gestão das perdas.
Além do foco de gestão e para poder atuar de forma eficiente e eficaz outro ponto importante para o gestor é a sua formação acadêmica, ou seja, as ações deste profissional têm que ter base científica.
Os desafios do gestor de segurança estão cada vez maiores, mas este profissional não deve ter medo desta realidade, pois o século XXI abriu as portas para que este profissional pudesse mostrar como a área de segurança pode potencializar o sucesso das empresas.
Para que o gestor possa solidificar a sua importância e ter sucesso profissional é essencial que alguns pontos sejam observados, pois deve estar preparado para enfrentar os novos desafios de um mundo em constante mudança. Estes pontos são:

  • Perceber que as mudanças na sua vida profissional são inevitáveis, pois o ambiente de tarefa das empresas está mudando rapidamente. Essa mudança será a cada dia mais rápida. Podemos perceber que a velocidade na tomada de decisão é muito importante.
  • Perceber a importância das informações para a tomada de decisão. 
  • Desenvolver suas competências (conhecimentos, habilidades e comportamentos) continuamente.
  • Administrar muito bem o tempo, pois o tempo é vantagem competitiva. 
As empresas serão cada vez mais testadas pelo mercado. Elas sobreviverão se estiverem focadas no mercado e percebendo oportunidades nas ameaças. Por conseqüência, os gestores do sistema de segurança serão cada vez mais cobrados e pressionados por metas. Os desafios são grandes, mas possíveis de serem alcançados.

Sucesso!!!!!

Nino Ricardo Meireles - consultor e professor universitário   

Segurança Empresarial

Segurança Empresarial

* Antonio Celso Brasiliano

1. CONCEITO

“É um conjunto de medidas, capazes de gerar um estado, no qual os interesses vitais de uma empresa estejam livres de interferências e perturbações”.

2. CONJUNTO DE MEDIDAS

A segurança empresarial não depende apenas do departamento de segurança da empresa, mas envolve todos os seus setores e todo o seu pessoal.
A empresa deve desfrutar de um “estado de segurança”, ou seja, de uma segurança permanente; embora, é claro passe por situações de insegurança temporária, fatos ocasionais e passageiros.

3. INTERESSES VITAIS

Os interesses vitais de uma empresa não estão apenas em não ser roubada ou incendiada. O mercado, os segredos, a estratégia de marketing, pesquisas de novos produtos devem igualmente ser protegidos.

4. INTERFERÊNCIAS E PERTURBAÇÕES

Nada deve impedir o curso normal da empresa. Deve-se prevenir não apenas contra incêndios e assaltos, mas também contra espionagem, seqüestros de empresários, greves, sabotagem, chantagem, etc.

5. GRAU DE SEGURANÇA

Não existe segurança perfeita, total ou absoluta. O que existe é a segurança satisfatória.
A segurança é satisfatória quando:
- É capaz de retardar ao máximo uma possibilidade de agressão;
- É capaz de desencadear forças – no menor espaço de tempo possível – capazes de neutralizar a agressão verificada.

6. IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA EMPRESARIAL

As empresas não beneficiam apenas os seus proprietários, acionistas ou empregados que nelas trabalham diretamente. Empresas sadias e prósperas beneficiam toda uma região e um universo infindável de pessoas, entre outros, com os seguintes benefícios: geração de impostos, comercialização de matérias primas; incremento dos transportes; expansão das redes de telecomunicações e do sistema financeiro; disputa de mão de obra qualificada; crescimento da construção civil; construção de escolas e hospitais; fortalecimento do comércio do comércio e da agricultura.
A obra de Fayol:
Henri Fayol, criador da Teoria Clássica da Administração, em sua obra “Administração Industrial e Geral”, publicada pela primeira vez no ano de 1916, em Paris, enumerou seis funções “essenciais” dentro de uma empresa:
1) Funções Técnicas
2) Funções Comerciais
3) Funções Financeiras
4) Funções de Segurança
5) Funções Contábeis
6) Funções Administrativas
Infelizmente, grandes empresas têm negligenciado o item “Segurança” em seus organogramas.

7. SEGURANÇA EMPRESARIAL NO BRASIL

- Infelizmente ainda prevalece a improvisação;
- Geralmente o chefe de segurança também é o responsável por serviços como transporte, limpeza e manutenção;
- Formação do pessoal de segurança é sempre deficitária, prevalecendo o “quebra-galho”.

8. MELHORANDO O NÍVEL DE SEGURANÇA DAS EMPRESAS

Através de um Plano Integrado de Segurança, com a decisão da alta direção da empresa, específico para a empresa, da seguinte forma:
- Processamento:
a) análise de vulnerabilidades
b) Implantação
- Rígida obediência ao Plano Elaborado e permanente atualização (gerenciamento).

9. PRINCÍPIOS BÁSICOS DA SEGURANÇA EMPRESARIAL:

a) Segurança é prevenção. Prevenção é treinamento;
b) O investimento em segurança é proporcional ao risco que se corre;
c) As medidas de Segurança não devem impedir ou dificultar a atividade normal da empresa.

10. ITENS A SEREM OBSERVADOS NUM PLANEJAMENTO DE SEGURANÇA EMPRESARIAL

- Administração da Segurança
– Proteção Perimetral
– Serviços de Vigilância
– Controle Interno
– Prevenção e Combate a Incêndios
– Espionagem
– Proteção contra furtos
– Prevenção de Assaltos
– Segurança dos computadores
– Possível Ação Terrorista
– Sistema de identificação
– Greves e Paralisações
– Iluminação
– Abastecimento de energia elétrica
– Combustíveis e materiais perigosos
- Segurança Pessoal
– Segurança familiar e Residencial
– Eventos Especiais
– Pontos e questões críticas.

 *Antonio Celso Ribeiro Brasileiro é Diretor Executivo da Brasiliano & Associados
Fonte: http://www.brasiliano.com.br/



segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Extorsão mediante sequestro

INDÚSTRIA DA EXTORSÃO MEDIANTE SEQÜESTRO
Siderley Andrade de Lima
O seqüestro é um dos crimes que mais assusta a população, surgiu com grande força principalmente na década de 80. Com a prisão de alguns integrantes de movimentos revolucionários ( guerrilha), que faziam parte de grupos de esquerda e na época seqüestraram um embaixador americano e um cônsul japonês, pedindo em troca a libertação de presos políticos. Os dois casos que na década de 70 eram crimes “políticos” , serviram de exemplo bem sucedido para que o crime de extorsão mediante seqüestro no país começasse a ser mercenário, ou seja, com fins lucrativos.
A prisão de guerrilheiros juntamente com criminosos comuns nos presídios do RJ, influenciaram para que as técnicas, estratégias e planejamento fossem repassadas aos presos comuns, após esse “intercambio”, surgia uma das maiores facções criminosas o CV- Comando Vermelho e também nascia um dos maiores crimes , o seqüestro, que iria aterrorizar e assustar a população.
As técnicas começaram a serem empregadas em seqüestros que tinham como alvo pessoas com grande poder aquisitivo e altos executivos. O Brasil começou a ser palco de grandes seqüestro, podemos citar os seguintes casos :
Beltrano Martinez – vice-presidente do Bradesco – 07/11/86, saindo de sua residência , foi seqüestrado ficando 41 dias no cativeiro, foi pago 4 milhões de dólares ;
Luis Salles – publicitário – 31/07/89 saindo de sua residência, foi seqüestrado ficando 65 dias no cativeiro, foi libertado com o pagamento de $2,5 milhões dólares ;
Abílio Diniz, empresário- 11/12/89, saindo de sua residência, 06 dias desaparecido, seu cativeiro foi encontrado, após negociação com os criminosos foi libertado e toda quadrilha foi presa;
Roberto Medina, publicitário- 06/06/90, saindo de sua empresa, 16 dias no cativeiro, foi pago 2,5 milhões de dólares aos criminosos.
No passado o seqüestro escolhia como alvo grandes personalidades, como empresários, publicitários, celebridades, etc. As quadrilhas eram bem organizadas, tudo era planejado, os familiares com medo não avisavam a policia, com isso, o resgate era pago. Com o passar dos anos os altos executivos e grandes celebridades começaram a fazer uso de agentes de segurança pessoal, levando os criminosos a buscarem outro alvo. Hoje o crime de extorsão mediante seqüestro cresceu assustadoramente , na atualidade todo cidadão pode ser vítima de um seqüestro, os criminosos que antes exigiam grandes quantias, diminuíram o valor do resgate, e toda pessoa passou a ser alvo , pequenos comerciantes, pequenos empresários, parentes de personalidades, políticos, etc, houve uma banalização do crime .

O crime de extorsão mediante seqüestro está previsto no art. 159 CP tipificado da seguinte forma “ seqüestrar pessoa com o fim de obter, para si ou para outrem, qualquer vantagem como condição ou preço de resgate”. E também é considerado crime Hediondo, ou seja, o criminoso irá cumprir a pena no seu total sem direito a anistia, graça ou indulto, a pena será cumprida integralmente em regime fechado.
No Brasil a totalidade dos casos, as quadrilhas sempre visam obter vantagem monetária ( recursos financeiros), ou seja, não existe grupos políticos ou terroristas que atualmente realizam este tipo de crime por motivos políticos , religiosos ou ideológicos. Em números o país só perde para a Colômbia e o México em casos de seqüestro, mas a cidade de São Paulo já foi considerada a capital do seqüestro “ New York Times”.
O seqüestro profissional planejado por quadrilhas especializadas é bem diferente de um seqüestro-relâmpago . Os delinqüentes ao agirem são frios, calculistas, planejam a ação, em muitos casos estudam detalhes de suas vítimas. Os seqüestradores podem ser de vários segmentos da sociedade, em alguns casos o crime tem envolvimento de algum parente ou pessoa ( empregado) próxima a vítima, que repassa as informações do cotidiano do alvo escolhido.

O seqüestro profissional ou planejado necessita de toda uma logística, organização e inteligência. Os criminosos têm quadrilhas bem organizadas e subdivide da seguinte maneira chefe da negociação, equipe da espionagem (informações), equipe da captura, equipe do cativeiro. Os criminosos são tão organizados que parece até uma indústria, sendo que cada um tem sua função. Outra maneira descoberta pela policia é a terceirização do crime, que funciona da seguinte forma; Os criminosos contratam o serviço de outro para capturar a vítima, e também para vigiar a vítima no cativeiro. Já houve casos de existir cativeiro coletivo como, por exemplo. “Três jovens são libertados de cativeiro coletivo- Durante os dias em que foram mantidos reféns, os três jovens passavam o tempo todo deitados em uma cama de casal, em um quarto escuro, amarrados pelas mãos e pelos pés, e com os rostos cobertos, sempre observados de perto por pelo menos dois homens – Jornal Agora 24/02/06 “.
A organização dos marginais é de assustar, é por isso que nós profissionais de segurança devemos estar a cada dia conhecendo o modus operandi de como agem os criminosos. E estar preparado quando acontecer algo com nosso cliente ( segurado).
A orientação que devemos passar ao protegido em também a toda equipe de segurança pessoal é para bloquear as fases de um seqüestro planejado. As fases vão desde as informações preliminares, analise das informações, escolha do alvo, levantamento dos dados da rotina, o planejamento e por fim a execução.
Na maioria dos casos, com exceção dos criminosos amadores que escolhem suas vitima aleatoriamente, os criminosos profissionais sempre seguem o mesmo modus operandi no decorrer do crime; levantam informações sobre a vítima, a escolha do cativeiro, o negociador, etc.
Por exigir toda essa complexidade, o seqüestro é uma “ guerra psicológica” , os criminosos usam vários artifícios para pressionar os familiares, um dos mais cruéis é a mutilação de parte do corpo da vítima, um exemplo que é de conhecimento de muitos é o caso do Welington Camargo, irmão da dupla sertaneja Zezé de Camargo e Luciano, que foi seqüestrado no dia 16 de dezembro de 1998, no qual durante as negociações foi cortado um pedaço da orelha e enviando a família. No livro “ Quem tem medo do seqüestro – J. B Markuz define bem sobre este crime O seqüestro é um tipo de guerra como as outras, em que a cultura é de pouca valia, pois o que predomina para se chegar a uma vitória são as idéias e pensamentos organizados, das quais a colaboração das partes envolvidas é muito importante.
Nessa guerra já conhecemos um lado que é o dos criminosos, vamos conhecer agora um pouco dos seqüestrados. Na totalidade das vitimas 70% são homens, a maioria deles tem idade entre 20 a 35 anos, em geral são apanhados enquanto dirigiam o próprio carro no trajeto entre a casa o trabalho, são empresários ou dependentes de empresários que prosperam com negócios ligados ao comercio em geral, 90% das vitimas pertencem a classe media.
A rotina no cotidiano do suposto alvo é um dos fatores principais observados pelos criminosos, dando condições para o delinqüente planejar seus ataques acertadamente. Freqüentar os mesmos lugares como bares e restaurantes, outras atividades como o mesmo local, itinerários, horário de ida a trabalho e retorno.
“A dica é sair da rotina e evitar ser rotineiro em tudo que puder”, utilizar itinerários alternativos e diversificado, sair de casa e chegar em horários diferentes, ir ao trabalho e sair em horários variados. Esse é um dos primeiros passos a informar para nossos clientes, alem destas dicas veja mais algumas dicas para o segurado e a equipe responsável pela segurança :

- Mude a sua rotina freqüentemente , horário de saída e chegada em casa e no trabalho, use no mínimo três caminhos diferentes para ir e voltar do trabalho, procure fazer itinerários variados;
- Use cada dia um local diferente para estacionamento;
- Procure sempre dirigir com os vidros do automóvel fechados e as portas travadas;
- Usar insulfilm nos vidros ajuda, pois, o marginal não sabe quantas pessoas estão no carro;
- Se você possuir mais de um carro, procure alternar em dias diferentes sua saída , cada dia você sai com um deles;
- Se possui condições financeiras, utilize um veiculo com blindagem;
- Um curso de direção defensiva, evasiva, e ofensiva, pode te ajudar numa tentativa de seqüestro;
- Evite comentar informações sobre sua rotina e seus negócios, tais informações devem ser restritas;
- Tenha uma relação de empregados e ex-empregados domésticos e de sua empresa, com todos os dados; Nunca de informações pessoais via telefone se suspeitar de quem está solicitando, oriente os familiares e funcionários para fazer o mesmo; Realizar um treinamento com o segurado e também seus familiares é fundamental, caso ocorra um sinistro ele também deve saber o que fazer. Participando do treinamento ele também irá conhecer um pouco do serviço que está contratando.
Destacamos que um dos problemas aqui no Brasil é referente a subestimar os criminosos, muitos executivos não possui nenhum tipo de segurança, muito menos procedimentos de segurança preventiva. Existe um “bloqueio psicológico no qual acham que nunca vai acontecer nada. Muitos só mudam o pensamento após algum fato como roubo/seqüestro acontece com algum familiar o mesmo. A prevenção sempre deve prevalecer, pois é a modalidade mais importante e eficaz no combate ao crime; deve ser executada com precisão e seriedade para diminuir ou colocar fora de risco a integridade física da autoridade. 24h por dia deve haver prevenção, em momento algum pode existir negligenciamento na segurança. Em situações que você achar que não há perigo de ser atacado, redobre as prevenções, assim não será surpreendido. Resumindo a missão da seg. Pessoal é executar medidas capazes de prevenir assaltos, atentados, emboscadas e seqüestros, zelar pela integridade física, proporcionar a tranquilidade necessária e manter a ordem nos locais imediatos onde estejam os segurados/protegidos. Lembre-se: “A conscientização dos riscos de ser alvo de seqüestro é fundamental, aliado a procedimentos seguros tornar-se fator importante para dificultar a ação dos criminosos.

Siderley Andrade de Lima, Consultor de segurança pessoal
siderleyandrade@yahoo.com.br
Autorizado a reproduzaçao citando a fonte